sexta-feira, 11 de setembro de 2009

As árvores morrem de pé*

Ainda que toda a vida tenha sido um profissional exemplar, ninguém está livre de um dia ver aparecer-lhe pela frente um qualquer idiota que o olha de alto a baixo e sentencia:
- Você está velho. Porque é que não se reforma?
Exemplos destes não faltam na administração pública. Uma "plêiade" de jovens , resguardados na força de um cartão partidário da jota rosa, laranja, ou azul e amarela que miraculosamente lhes confere a competência para dirigir qualquer estaminé, onde apenas procuram protagonismo político, sentencia amiúde a reforma antecipada de pessoas que muito tinham ainda para dar na sua vida profissional.
Foi o que aconteceu com Ruy de Carvalho, esse actor de excelência que um qualquer director do Teatro Nacional D. Maria II mandou para casa por ser “velho e reformado”. Contrariando a profecia, Ruy de Carvalho voltou ontem, aos 82 anos, ao palco do D. Maria II, integrando o elenco da peça “O Camareiro” . O convite partiu de Diogo Morgado, um jovem que soube reconhecer o valor de um “velho” com idade para ser seu avô. São exemplos destes que me permitem acreditar nos jovens. Nem todos crescem à sombra de partidos que os desumanizam e transformam em imbecis inúteis.

* Quando era miúdo fui ver, levado pela mão dos meus pais, a peça “As árvores morrem de pé”. Tinha apenas 14 ou 15 anos, foi a relação de amizade entre minha mãe e Vasco Morgado que me permitiu ver essa maravilhosa interpretação de Palmira Bastos, então com 90 anos. Nunca mais esqueci a cena magistral que fazia a plateia levantar-se num aplauso tremendo, capaz de fazer vir abaixo o teatro Monumental. Aquela estatura meã e aparentemente frágil de Palmira Bastos, batendo vigorosamente com a bengala e sentenciando de forma loquaz: “Morta por dentro, mas de pé. De pé, como as árvores!”

20 comentários:

  1. Este país não é para velhos.
    Ainda bem que há gente que quer contrariar essa situação.o Ruy de Carvaklho é um SENHOR e merece o respeito do País, e isso é deixar que faça o que ama, ou seja, teatro.

    ResponderEliminar
  2. Belo post , Carlos! Ternurento e sério como o artista citado...
    Bom vê-lo de volta por mão coerente e séria, que é o que cada vez mais encontro em gente nova...
    Quanto Sr. D. Palmira, via -a na dita peça, pela TV, e chorei muito, e marcou-me para sempre...
    Bfs

    ResponderEliminar
  3. È verdade, ainda ontem estava a ver o cartaz das artes na sic e comentei os seus belos 82 anos.
    Tomara a muitos...mas ainda bem que há quem reconhece o valor onde ele continua a existir.

    ResponderEliminar
  4. O actor Ruy de Carvalho foi certamente reformado como funcionario publico que era no teatro nacional .Nunca deixou de trabalhar , tem sido presença permanente na televisão , fez que me lembre teatro noutras salas.A idade da reforma que é imposta é muito discutivel ,princpalmente quando o trabalho é intelectual .
    Tenho pena de recordar este ponto ,mas o actor Ruy de Carvalho apenas foi reformado da função publica.

    ResponderEliminar
  5. Não sou nada piegas... mas com este teu artigo vieram-me as lágrimas aos olhos!!!
    Eu também fui ver, quando era miúda, a peça “As árvores morrem de pé”, também levada pela mão dos meus pais. Penso mesmo, que ainda não tinha 14 anos. Nunca mais me esqueci dessa fantástica noite de teatro e continua a ser uma das minhas peças preferidas.
    “Morta por dentro, mas de pé. De pé, como as árvores!” Com esta frase, a minha mãe esqueceu-se da pintura dos olhos, tirou um lencinho da carteira e limpou as lágrimas, que lhe corriam pelas faces. Não chorei, mas decidi nesse momento ser dramaturga. Quando cheguei ao Porto repeti essa frase para a minha melhor amiga meses seguidos.

    Vendia a minha alma ao diabo para voltar atrás no tempo e viver essa noite mais uma vez.

    ResponderEliminar
  6. Annie: Não deixou de trabalhar, é certo, mas o Teatro Nacional devia tê-lo respeitado mais e deixá-lo fazer mais teatro, que é aquilo que ele verdadeiramente gosta.
    É verdade que "apenas" foi reformado da função pública, mas a maneira como o "expulsaram" foi ignóbil. E um dia destes, quando ele morrer, lá virão os elogios post mortem. Acho muita hipocrisia.
    Confesso que nem sabia que ele entrava em telenovelas...

    ResponderEliminar
  7. Ematejoca: eu também não consegui reprimir as lágrimas no final da peça, o que me deixou em estado de fúria, porque ainda sou do tempo em que "Um homem não chora" e vi naquilo um sinal de fraqueza.
    Não venderia a minha alma ao diabo, mas gostaria de viver essa noite outra vez. Desde que não fosse obrigado a passar novamente por algumas agruras que a Fortuna me foi reservando ao longo da vida...

    ResponderEliminar
  8. Pelo menos aqui temos uma triste história com um desenvolvimento feliz.

    Estive a ver, há 2/3 dias, uma reportagem com o ensaio.
    Ele ainda se movimenta fantasticamente.

    ResponderEliminar
  9. Caro Carlos tem um prémio no meu espaço que pode ser reclamado a qualquer altura.
    1 abraço

    ResponderEliminar
  10. Também vi a peça As árvores morrem de pé", mas no Teatro Nacional D. Maria. 1973? Memorável.

    ResponderEliminar
  11. E a sua descrição encheu-me de ternura...
    bom fim de semana

    ResponderEliminar
  12. Carlos, o mal dele foi não ter trabalhado na Rebelde ou no Morangos com Açúcar! É assim que é, meu amigo!

    ResponderEliminar
  13. Arrepia só imaginar! Quantos, numa sociedade torculenta, poderão dizer isso? Quantos?

    ResponderEliminar
  14. Achei o post tão lindo que nem pensei em comentá-lo.Fui refletir e acabei escrevendo um pequeno, bem pequeno, post dele... e continuo refletindo...rs....

    ResponderEliminar
  15. Lacoste: Obrigado pela simpatia. Já fui ver e, embora já me tenha sido atribído por outros leitores do Rochedo, fico muito sensibilizado e grato pela sua lembrança.

    ResponderEliminar
  16. ainda hoje o Herman declama na brincadeira essa parte da peça.

    ResponderEliminar
  17. Permitam-me esclarecer que "As Árvores Morrem de Pé", nunca estiveremr em cena no Teatro Monumental.

    ResponderEliminar
  18. Eu vi "As Árvores Morrem de Pé", com Palmira Bastos, no Teatro Avenida, na Avenida da Liberdade. Foi uma das mais belas noites da minha vida.

    ResponderEliminar