segunda-feira, 30 de março de 2009

A Martinha em Roma. Uau!!!

Olá!
Eu sou a Martinha e estou em Roma com o Carlos. Peço desculpa pela intromissão aqui no Rochedo, mas senti-me no dever de escrever um post, para compensar os problemas que criei ao Carlos nestes últimos dias. Ele anda um bocado triste e também preocupado por não ter tempo para escrever e eu sinto-me um bocado culpada disso, daí que esteja a escrever este post, aproveitando o facto de a internet aqui no hotel ser à borla e estar à espera que ele venha buscar-me para irmos jantar.Vou tentar explicar, em breves palavras, o que se passou.
Há tempos o Carlos prometeu-me que um dia me traria a Roma. Desde esse dia ele já veio cá pelo menos três vezes, mas nunca cumpriu a promessa. Quando soube que ele vinha cá passar uns dias lembrei-lhe a promessa que me fizera há uns anos e exigi ( é esse mesmo o termo) que a cumprisse.
Começou por alegar que vinha em trabalho e não podia por isso fazer-me companhia, mas eu sei bem que a desculpa não era totalmente verdade, pois sei o que ele veio cá fazer e, além disso, metia-se um fim de semana pelo meio, em que ele me podia fazer companhia. A minha mãe disse-me que o Carlos gosta de viajar sozinho, sempre foi assim, e o melhor era eu arranjar uma amiga que viesse comigo e pedir ao Carlos que me pagasse a viagem. Expliquei-lhe que não seria fácil arranjar uma amiga da minha idade que viesse comigo para Roma, porque as minhas amigas são todas umas tesas como eu, porque também estão desempregadas. É verdade que já tive dois namorados que me quiseram trazer com eles, mas o que eu menos desejava era vir para Roma atrelada a um gajo, porque isso é coisa que não falta por aqui. Eu queria era mesmo vir com o Carlos e, desta vez, consegui!Ao fim de cinco dias percebo que fui estúpida, porque as coisas não estão a correr como desejava. As coisas começaram a correr mal logo no aeroporto em Lisboa. Havia de ser logo num aeroporto, um sítio que o Carlos detesta, desde aquele episódio na Argentina, quando a namorada foi levada pela polícia no aeroporto de Buenos Aires…
O Carlos avisou-me que iria fazer o check-in electrónico, por isso devia trazer pouca bagagem. Com algum esforço cumpri o que me pediu, mas esqueci-me que era proibido trazer embalagens de líquidos com mais de 100ml. Ficaram-me com o perfume e o desodorizante, mas nem me ralei muito, porque já estavam quase vazios e tencionava comprar embalagens novas na “freeshop”. O problema foi quando me apreenderam uma embalagem de Betadine e umas gotas para os olhos de que tenho absoluta necessidade. O Carlos tentou explicar que aqueles medicamentos me eram imprescindíveis, que nenhuma das embalagens continha já mais de 15 ml, mas a jovem foi inflexível e disse que se quisesse trazê-los teria de ir fazer o check in. Como já não dava tempo, tive mesmo que os deixar no aeroporto. Tentei acalmá-lo, mas como ele quando vê uma farda fica possesso ( está também relacionado com o episódio da Argentina, como é bom de ver) perdeu completamente o controlo e pediu o Livro de Reclamações. A jovem, carinha laroca de 1,80m respondeu com ar cínico:
- Quer fazer queixa de mim por estar a cumprir os regulamentos?
Quando o Carlos respondeu, fiquei verde. Sabem o que é que ele lhe disse?
“ Não, não quero apresentar queixa. Quero só dizer aos seus superiores hierárquicos que já a deviam ter nomeado secretária-geral da companhia. É suficientemente estúpida para não pensar e apenas cumprir os regulamentos, por isso está na altura de ser promovida”.
Depois agarrou-me por um braço e rebocou-me para o avião. Fez toda a viagem quase em silêncio, que eu respeitei, porque percebi logo que a cena de Buenos Aires se lhe tinha instalado na cabeça para não mais sair. Por um lado até foi bom, porque assim ele nem se apercebeu que a única coisa pior do que viajar num avião só com portugueses, é viajar numa mistura de portugueses e italianos saídos de um filme do Ettore Scola.
À minha frente sentou-se uma italiana com metro e meio de diâmetro, com ar de vendedora de fruta no Campo dei Fiori, que falava mais alto do que a claque inteira da Juve Leo. A determinada altura reclinou a cadeira e eu tive que me encolher tanto, tanto, tanto, que cheguei a temer não poder andar quando chegássemos a Roma. Felizmente consegui. Fomos para o hotel, mas como o Carlos ia trabalhar, aconselhou-me a visitar o Coliseo, que ficava a poucos metros.

Lá fui ver aquelas ruínas todas, tirei umas fotografias ( não são as que estão aver, porque estas fanei-as na Internet) e depois continuei a passear pelo Palatino e pelo Foro Romano. Ao pé da casa de um tal Augusto sentei-me num banquinho para fumar um cigarro. Já tinha recusado comprar tudo quanto me ofereciam (desde t-shirts pirosas a réplicas em miniatura de tudo quanto é ruína), quando se abeiraram de mim dois italianos. Perguntaram-me de onde era e passaram logo à acção, oferecendo os seus préstimos para me mostrar a cidade. Mandei-os dar “uma curva” e regressei ao hotel.
À hora do jantar consegui arrancar um sorriso ao Carlos, quando ele me perguntou o que achara do Coliseo. Apesar de ser benfiquista -desde que há 10 anos vim viver para Portugal- respondi-lhe:
“ Fez-me lembrar o velho estádio da Luz. Aquele Terceiro Anel do Coliseo devia ser quase tão imponente como o que o Luís Filipe Viera mandou deitar abaixo. Estes ao menos guardaram as ruínas.”.
Nem imaginam o que me custou dizer isto, mas queria ver o Carlos bem diposto, poque quando está com a neura é insuportável. ( Bem, estou a exagerar um bocadinho, mas prontos...)
E foi assim o meu primeiro dia em Roma. Apesar de tudo a estadia tem sido bastante agradável e o Carlos já está um bocadinho mais bem disposto. Se ele me deixar, antes de irmos embora ainda vou escrever sobre alguns episódios muito giros que por aqui se passaram.
Agora digam-me uma coisa: acham que fiz mal em exigir ao Carlos que me trouxesse com ele? Afinal ele prometeu-me que me trazia a Roma quando eu fiz 21 anos e em Abril já vou fazer 26… Vocês aguentavam tanto tempo?


27 comentários:

  1. Martinha: o prometido é devido! Fez muito bem em reclamar a sua viagem! E ficamos à espera do relato de mais peripécias!

    :)))

    ResponderEliminar
  2. Eu não aguentava nada. E depois acho que a Martinha devia passar a figurar aqui de "colaboradora do blogue" sine die. Mas depois quero ouvir também a versão do Carlos.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  3. Sortudo!
    É tudo quanto a inveja me permite dizer :)
    Numa das cidades de que mais gosto...

    ResponderEliminar
  4. Mau,mau, mau Maria!!
    Mas afinal quem é a Senhora??
    Ou este blog foi 'hackado'????
    De qualquer forma, uma coisa é certa...este ares dos rochedos romanos inspiraram-na tanto que a vizinhança ainda é capaz de fazer um abaixo-assinado para que passe a ser a escritora residente, já que o Sr. CBO anda muito desaparecido...
    Vá pa dentro, Martinha, vá, que se o Carlos a apanha, leva ferroada de escorpião pela certa!!!

    ResponderEliminar
  5. Ah, afinal é uma Martinha "pequenina"... que foi a Roma com o Carlos... e o pessoal por aqui a congeminar...
    Pois isso na TAP... foi azar e falta de hábito quanto ao transporte de frasquinhos...
    Para rematar uma jantarada sem igual e muita simpatia... há que ir à L OSTERIA DÉ MEMMO, via dei soldati,22-23..
    não longe ppda Praça Navonna
    Boa estadia..

    ResponderEliminar
  6. Eu não sei é se aguentava com esse mau humor.
    Em Roma de mau humor? Credo!
    Se calhar a bebida na Piazza Navona estava quente...

    ResponderEliminar
  7. Obrigado a todas pelas vossas palavras.Não tenho vida para blogs (passo os dias a escrever "curricula" e a ir a entrevistas, para ver se arranjo emprego) mas prometo desde já que vou escrever mais uns posts sobre esta vinda a Roma. Foi assim que ficou combinado com o Carlos, depois dele ler os vossos comentários.
    E vou também contar algo mais sobre mim, porque lhe prometi fazê-lo, para que vocês percebam que, por não ser portuguesa, de vez em quando dou umas calinadas na gramática. Peço que me desculpem.

    ResponderEliminar
  8. Martinha,
    Promessa é divida!E com demora tem juros...
    Aproveite viu?
    Beijo

    ResponderEliminar
  9. O Carlos manda beijinhos e abraços para todos e promete que amanhã vai escrever um post.
    Agora as repostas aos vossos comentários

    MDSOL:assim farei

    SI: segundo me disse o Carlos é afilhada dele, o que estabelece alguma relação entre nós, porque a minha mãe também é afilhada do Carlos. Ele anda desaparecido, mas a culpa é minha, porque quando não está a trabalhar, tem de me aturar.

    SUN IOU MIOU: Também tenho alguma afinidade consigo, mas depois explico porquê. Vou tentar escrever regularmente mas, como já disse, não vai ser fácil.

    ANAMAR:Vou pedir ao Carlos para me levar a esse restaurante.Eu podia ter evitado o epis´dio do aeroporto, mas sou muito despistada e um bocadinho estúpida. Não sou é assim tão pequenina... meço 1m68cm.

    Cristina Ribeiro: Também estou a gostar muito de Roma, mas como conheço ainda poucas cidades na Europa, não sei se há mais bonitas. Só conheço Londres, Amsterdam e Paris ( gostei muito também, mas vi-me aflita para eles me perceberem)e algumas cidades de Espanha como Madrid, Barcelona e Sevilha.

    Patti: O Carlos não anda mal disposto. Anda um bocadinho triste e preocupado, mas eu também sou responsável por isso. Ele é boa pessoa, sabe? A política é que o põe mal disposto e o que anda a ver e ouvir por aqui deixa-o muito peocupado. Diz a minha mãe que ele é um lírico idealistae secalhar tem razão.

    Bem, boa noite a todas e até amanhã!

    ResponderEliminar
  10. Então se calhar também lhe deve ter dito que eu estava a brincar.

    ResponderEliminar
  11. Eu sei Martinha qual é a nossa afinidade: as calinadas na gramática, hehehe!

    Beijinho

    ResponderEliminar
  12. Martinha,

    Depois de ter visitado Roma este Natal fiquei apaixonado. Aproveite bem.
    O prometido é devido.

    ResponderEliminar
  13. Bem, aqui entre nós, mais vale tarde que nunca ... mas um ultimato nunca fez mal a ninguém, especialmente quando mete uma cidade como Roma!

    ResponderEliminar
  14. Martinha,
    Faz um favor para mim?
    Avisa a esse moço que lhe acompanha rsrsrs que postei o prometido?
    Obrigada!
    É impressão minha....ou és das bandas de cá?
    Beijo

    ResponderEliminar
  15. Martinha, promessa é dívida! Certa você e perfeito o relado - além de divertido! Adorei! Tomara que se divirta muito, a despeito do humor do Carlos. :))

    ResponderEliminar
  16. Oh Martinha e eu que pensava que aí o Rochedo era: Ok e (tele)seguro!
    E diga-me cá foram ver o Papa?

    ResponderEliminar
  17. Martinha , agora peça uma viagem a Florença .

    ResponderEliminar
  18. Numa janela de oportunidade que o tempo me permite, e enquanto puder enganar o proxy institucional, deixo ficar um abraço de amizade e a continuação de uma boa viagem, aos dois.

    ResponderEliminar
  19. :)))
    Não, nºao fez mal em cobrar-lhe a viagem. Desconfio é que não voltará com ele, a menos que seja ele a rever-lhe a bagagem, antes:))

    ResponderEliminar
  20. Espero que se divirtam muito os dois e que o Carlos depois, partilhe connosco as suas preocupações, dúvidas e interrogações, da forma que sempre costuma fazer. A esta hora já devem estar regressando mas eu, apesar de ler diariamente o rochedo, tal como outros (poucos) blogues que aprecio muito, não tenho tido tempo ou não me sobra a disposição para comentar.

    ResponderEliminar
  21. PATTI:Disse e deu-me um raspanete pela resposta que lhe dei. Avisou-me que a Senhora era a PresidetA ( foi assim que ele disse que se escrevia...) e que tinha de a tratar muito bem. Peço desculpa, mas foi sem intenção. É que ainda não conheço bem as pessoas, sabe...estou desculpada?

    PEDRO: Ficou apaixonado por Roma, ou por uma italiana? Não me diga que gosta daquelas lambisgóias...

    Ferreira-Pinto: O que é um ultimato?

    LUZ: Aviso, sim, mas ele já deve também estar a chegar a casa e vai ler os comentários todos e responder, que já me disse.

    ANNIE HALL: Tem piada qu o Carlos passou o tempo todo a dizer-me que Florença era a cidade masi bnita de Itália. Também tem muitas ruínas, é?

    ResponderEliminar
  22. A SENHORA:Diverti, sim e agora também acho que me vou divertir a relatar as coisas que se passaram por lá.
    GI: Fomos e até o cumprimentei, mas depois eu conto, está bem?

    Paulofski: ai que eu não percebi nada disso do proxy! Desculpe...

    LÚCIA:nem me fale da cena do aeroporto, que fico com muito culpada...

    CRISTAL: O Carlos vai contar as coisas à maneira dele, como a senhora gosta, vai ver.

    ResponderEliminar
  23. Ai Martinha, coitadinha de si a levar um raspanete em italiano, vindo de um Rochedo mal-humorado! Não há nada a desculpar, ora essa!

    O mau-humor do Carlos, foi alguma pizza requentada ou então são as más relações que ele tem com este Papa...sabe lá, parece que Sua Santidade andou a ler uns posts que o Carlos escreveu aqui e não gostou mesmo nada!

    ResponderEliminar
  24. Martinha a sua irreverência fascina-me. Não me diga que é uma mulher do Norte!

    Quanto aos 5 anos de espera.... saber esperar é uma virtude!

    ResponderEliminar
  25. PATTI:Obrigada! Ai o Carlos não gosta mesmo nada do Papa. Quando fomos ao Vaticano ele até levava... ai não sei se posso contar.
    Raspanete é uma maneira de dizer, porque como a senhora sabe ele é muito delicado com as senhoras.
    Prontos, aquela cena do aeroporto, acho que ele só via farda, nem pensou que era uma mulher que ali estava e zumba, saiu tudo o que sentia lá dentro.

    FATIMA: Não, não sou. Eu nem sequer sou portuguesa, mas dpois eu conto tudo, como já prometi ao Carlos.

    ResponderEliminar
  26. Gostei do 'zumba'! Fica muito bem empregue, lá nas minhas reuniões de PresidentA!

    ResponderEliminar
  27. Martinha, porque ainda não nos conhecemos, passo para lhe deixar um beijinho e o convite a passear-se pelo meu cantinho. Abraço,
    Sónia

    ResponderEliminar