terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Empreendedorismo à portuguesa

Em entrevista ao DN, no último domingo, o presidente do Automóvel Clube de Portugal dizia que se o Estado lhe desse 15 milhões de euros punha um Grande Prémio de Fórmula 1 em Portugal. Em tempo de crise, está-se mesmo a ver que o país precisa é de Mundiais de Futebol e do Circo da Fórmula 1, mas adiante…
Trago a entrevista à colação, porque esta postura de Carlos Barbosa é ilustrativa do comportamento de uma boa parte do tecido empresarial português.~
O empresário português ( na generalidade) arrisca pouco e procura sempre respaldar-se no Estado - para salvaguardar perdas em situações que corram mal-, quer lucro rápido e gosta de brilhar à custa do esforço dos outros ( sejam eles os trabalhadores, ou parceiros empresariais, porque na selva onde se movem, vale tudo).
Quando as coisas correm mal, a economia estagna, ou o país entra em recessão, os empresários culpam o governo e desatam a pedir subsídios para salvar a sua área de actividade. Em tempo de vacas gordas, os mesmos empresários acusam o Estado de ingerência, de impedir o funcionamento livre do mercado, de não o deixar auto-regular-se e chamam a si os louros pelos êxitos alcançados.
Desta vez. alguém do governo lhe disse o que pensava deste comportamento vampiresco. “Se queres ver palhaços vai ao circo” – é o que se pode deduzir da reacção de Laurentino Dias .
Carlos Barbosa assobiará para o lado e do seu pedestal de superioridade continuará a acusar os governos pela sua falta de apoio ao empreendedorismo, mas pelo menos alguém disse o que era precisos ser dito.

16 comentários:

  1. Se assim foi, o Laurentino Dias aprendeu alguma coisa desde que atribuíu um subsídio de dois milhões ao Tiago Monteiro!
    "O secretário de Estado da Juventude e do Desporto afirmou hoje que o subsídio de dois milhões de euros atribuído ao piloto Tiago Monteiro foi um "acto normal" e serviu para "apoiar participação de Portugal na Fórmula 1". Público de 21-04-2008

    Mais vale tarde do que nunca!

    :))

    ResponderEliminar
  2. Excelente artigo!
    E os do circo, pelo menos, são profissionais do ofício!
    O problema é que agora, "palhaços há muitos, seus palermas"!

    ResponderEliminar
  3. Pois eu, se o estado me desse 15 milhões, fazia coisas bem mais fixes!

    ResponderEliminar
  4. São mesmo palhaços...nem sabem o que dizem...imaginem vocês, um grande prémio de Fórmula em Portugal. É tudo à grande...até chateia...estavamos todos a precisar era duma coisa dessas...

    ResponderEliminar
  5. Qualquer dia temos de andar como o outro, de lanterna, à procura de homens sérios, íntegros e respeitadores da ética! Mundo cão
    (gostei do "alapardado", porque é mesmo assim que eu me sinto quando me ponho a ouvir aqueles e outros deuses do jazz:))
    Abraço

    ResponderEliminar
  6. Mas que bem aplicado seria esse dinheiro! (Ironia)
    Para pedir subsídios estão sempre prontos, claro. E vivemos uns à custa dos outros.

    ResponderEliminar
  7. Eu ouvi a entrevista na TSF e pensei exactamente o mesmo que o Carlos Barbosa mas de Oliveira.
    E eu até gosto do Carlos Barbosa sem Oliveira...

    ResponderEliminar
  8. Esse Senhor não foi aquele da Rádio Correio da Manhã, esse fantástico projecto que ainda existe???....
    Está feliz e tranquilo no ACP e com ideias com o dinheiro dos outros, Ganda portuga! haja pachorra!

    ResponderEliminar
  9. mdsol: Outros tempos... apesar de tudo, o Tiago Monteiro divulgava o nome do país e de algumas empresas, além de o trabalho lhe sair do corpo. O Carlos Barbosa é só "relationships"

    ResponderEliminar
  10. Justine: E não é tão bom, ficarmos alapardados?

    ResponderEliminar
  11. São fantásticos os sonhos da gente deste país!
    Até parece que ninguém percebe que somos um país pobre. Ele é Euros, Mundiais, Fórmula 1, TGv, 15 pontes sobre o Tejo... só falta mesmo os J.O.

    ResponderEliminar
  12. E agora o que é que o pobre vai fazer da pista de Portimão!!!

    ResponderEliminar
  13. O subsídio ao Tiago Monteiro foi atribuído pelo governo do nosso querido PSL e o do Sócrates achou razoável a medida.
    Por essas e por outras excentricidades do sr.Barbosa, em Dezembro deixei de ser sócia do ACP.

    ResponderEliminar
  14. Paulo: Como a pista não é dele, nem lá investiou um tusto, deve estar-se marimbando.

    ResponderEliminar
  15. maloud: A instituição ACP continua a merecer-me o máximo respeito e já me valeu algumas vezes. Não vai ser o sr. Barbosa que me vai levar a desistir de ser sócio.

    ResponderEliminar