sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Quem não tem CU...

Os senhores que nos governam lembraram-se há tempos que a melhor forma de nos facilitar a vida seria oferecer um CU (Cartão Único) a cada cidadão. Meses mais tarde, talvez porque tivessem reparado que já todos os portugueses tinham CU, optaram pela oferta do CC( Cartão do Cidadão) . Mudaram o nome, mas a m…. é a mesma.
Pensava que não se tratava de uma oferta muito simpática , nem original ( presumo que já todos os portugueses tenham pelo menos um Cartão, desde que Tonico Bastos os começou a distribuir profusamente na Gabriela), por isso foi com surpresa que li hoje na “Visão” que há 177 mil portugueses sedentos de serem os primeiros a usufruir da novidade, tendo já solicitado a sua atribuição.
Indiferentes ao facto de o CC ser , apesar de tudo, inconstitucional, ( a Constituição proíbe a existência de um número único de identificação para todos os serviços públicos), há quem percorra centenas de quilómetros para ir a uma Conservatória longe de sua casa pedir o seu CC- ainda só disponibilizável em alguns concelhos.
Digam lá que não somos um povo estranho…. Corremos atrás da novidade de um cartão, como se dela dependesse a nossa vida, mas fugimos ao pagamento de impostos, porque achamos que é um roubo!
No meio disto tudo, tenho pena que o governo tenha alterado o nome estragando-me assim o título do post que seria :
Portugueses andam quilómetros atrás de um CU”, ou “Portugueses afinal gostam do CU”. Pensando bem, talvez não fosse um título muito feliz, por gerar interpretações dúbias e não ser muito consentâneo com a linguagem do CR.

30 comentários:

  1. Pois...
    Isso e lá se ir o nosso (vosso) ideal de país de machos latinos!

    ResponderEliminar
  2. Antes de mais obrigado pela visita ao blog. É bom encontrar alguem que se sinta um pouco como eu e dentro da mesma área.

    Quanto ao que dizes, a novidade sempre foi o grande auge de qualquer cidadão comum (cc) sobretudo para mostrar ao vizinho que já se tem aquele cartão e ele não.
    E sem dúvida alguma que os titulos geravam interpretações dúbias.

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  3. Carlos, peço já desculpa pela linguagem que se segue.

    Mas a campanha também podia ser:

    "O Governo Sócrates, deu-vos o CU"

    ResponderEliminar
  4. Carlos,
    Nem de propósito....a sua vizinha Patti acaba de publicar um post excelente sobre este povo estranho que somos e a linguagem que utilizamos...
    Por isso, não estranhará que ache bem que tenham mudado o nome ao cartão e que a linguagem consentânea com a do Rochedo continue livre de interpretações dúbias!

    ResponderEliminar
  5. CC? Não ia ser DU? (Documento único)

    Não percebo a corrida atrás do CC, se fosse o CU percebia, a ideia de mostrar o CU às autoridades é tentadora... Agora CC... pfff! Fiquem com ele, não quero!

    ResponderEliminar
  6. Patti: Além de ter sido eu a abrir as "hostilidades", já sabe que como vizinha de longa data, ninguém se vai sentir melindrado. Além do mais, o excelente post que escreveu hoje nos seus ARES dissipariam quaisquer dúvidas.

    ResponderEliminar
  7. Cecília:O post da Patti, que já tive a oportunidade de comentar,é muito mais profundo e abrangente do que este meu modessto contributo.

    ResponderEliminar
  8. Magucha: Talvez... mas o Padrinho ter-se-á arrependido na hora do baptizado e mudou para CC. DU rimava com o dito e o puritanismo venceu.
    Tem toda a razão... não falta por aí genyte ansiosa de mostrar o CU aos governantes, para ver se abicha um pouco de poder.

    ResponderEliminar
  9. Sara: CC também pode ser lido como cidadão consumidor, que parece ser a única razão de vida para alguns.
    Obrigado pela visita e comentário.
    Conchinhas

    ResponderEliminar
  10. Depende da noção que se tenha de "macho latino". Se for aquele que há uns anos se tornou famoso graças a um acórdão de um tribunal do Algarve, dispenso (a "coutada do macho latino", lembra-se?).
    E também não posso ser muito discriminatória porque tenho alguns amigos que até gostariam dessa campanha e eu sempre defendi que "gostos não se discutem", a não ser que mos imponham...

    ResponderEliminar
  11. Ângela: não sei o acórdão a que se refere. Provavelmente ainda não estaria em Portugal...

    ResponderEliminar
  12. Não me diga que não conhece a pérola do disparate judiciário do nosso país?
    Nunca ouviu falar de um acórdão, confirmado pela Relação de Évora que considerava o Algarve como a coutada do macho latino e dizia que se duas turistas (do norte da Europa) andavam por aí sozinhas só podiam esperar que os homens portugueses quisessem ter sexo com elas. E assim o tribunal considerou que não tinha havido violação porque elas deveriam ter previsto o resultado de andarem a passear na coutada do macho latino.
    Vou ver se o encontro...

    ResponderEliminar
  13. Ângela: a minha alma está parva! Nunca tinha ouvido falar de tal bizarria e se um amigo me tivesse contado, diria que estav a gozar comigo. Pensando bem, no entanto, é só mais uma bizarria dos nossos juízes que nos brindam com pérolas deste jaez.
    Provavelmente não estaria mesmo ainda em Portugal, caso contrário não me teria escapado.
    Já agora uma pergunta ( porque creio que é jurista ou advogada): já leu as sentenças do Camilo Pessanha quando era juiz em Macau? São belíssimas peças literárias, só possíveis de escrever por quem escrevia as sentenças sob o efeito do ópio. Imperdíveis!

    ResponderEliminar
  14. Como lhe disse, vou ver se consigo encontrar o texto do acórdão, porque merece uma leitura atenta.
    Sim, sou jurista (e já fui advogada), mas nunca tinha ouvido falar das sentenças de Camilo Pessanha. Se tiver a gentileza de me indicar a editora ou algo que me ajude a procurar, agradecia.

    ResponderEliminar
  15. Quando era miúda a minha maior ilusão era ter um cartão (e meu pai fez-me um de espia. Hihihi!) Será sintoma de maturidade não desejar ter nenhum?

    Tomo nota das sentenças do Camilo Pessanha. O bom das postagens boas é que guardam comentários interessantes.

    ResponderEliminar
  16. Ângela: Se bem me lembro, foi uma publicação do IPOR, da autoria da Celina Veiga de Oliveira. Vou confirmar...
    Já tive o livro mas, como muitos outros, pedeu-se na voragem dos empréstimos. Nunca mais ganho juízo.

    ResponderEliminar
  17. Tetem: não digo que seja maturidade, mas será no mínimo uma opção de vida. Agora do CC é que não se safa!
    Quanto ao Camilo, sugiro que leia a rsposta que dei à Ãngela. Se estiver interessada, dentro de poucos dias vou tentar confirmar.

    ResponderEliminar
  18. Safo-me do CC, sim, Carlos. Na verdade, nem sei o que é isso, porque nem moro em Portugal nem sou portuguesa (e já agora peço desculpa se cometer algum erro ao escrever; pode-me corrigir à vontade, que agradeço.)
    Obrigada de novo pelo do Camilo. Gosto muito de ler e são bem recebidas todas as boas recomendações de literatura em língua portuguesa.

    ResponderEliminar
  19. Tetem: então é uma voz do Brasil? seja bem vinda! Quanto ao Camilo Pessanha, amanhã espero ter novidades

    ResponderEliminar
  20. Também não sou do Brasil, nem de Angola (apesar do nome). Ah, agora senti-me elogiada, mas com certeza os comentários são breves demais para delatarem as minhas carências. E para evitarmos ver isto convertido num jogo de adivinhações, digamos, Carlos, que compartimos espaço na Península.
    Espero então essas novidades.

    ResponderEliminar
  21. Já nasci com CC e tenho a certeza que vou morrer com ele ou não fossem essas as iniciais do meu nome :)
    Por ter de fazer mudanças em todos os meus documentos de identificação optei pelo pedido de Cartão de Cidadão, por facilitar o processo. Na altura explicaram-me que este cartão não inclui a Carta de Condução exactamente porque é inconstitucional haver um único documento de identificação...mas isto foi nos Açores:)

    ResponderEliminar
  22. Sunshine: pode não parecer, mas sou muito favorável ao CC. Quanto menos cartões na algibeira, melhor. Mas fazer 300 kms só para o ter? Nessa não me apanham, não!

    ResponderEliminar
  23. faço parte da dita geração rasca que mostrou o verdadeiro cu ao Couto dos santos, mas nunca pensámos que após tantos anos andasse tudo a correr atrás do dito.
    Por causa das minhas férias tive uma via sacra para conseguir o CC para a minha filha que passados estes meses ainda não tem ler em:
    http://vilaforte.blog.com/3275294/

    ResponderEliminar
  24. Pedro:
    Desculpa lá a insistência... mas não há maneira de facilitar os comentários no Villa forte? Fui lá - como faço regularmente- mas a caixa de comentários é pior que uma caixa forte! Gostei do que li sobre este e outro assunto ( a reportagem de sábado na SIC).
    Abraço

    ResponderEliminar
  25. Estamos para mudar para o sapo este mês.ainda bem que gostou.
    abraço

    ResponderEliminar
  26. Carlos,
    eu ia ficar muito, mas mesmo muito decepcionada, se visse a palavra CU no seu blog.Ainda bem que mudaram de CU para CC:)))
    Veludinhos azuis

    ResponderEliminar
  27. Carlos, um CU não me chocaria. Vejo vários diariamente e nenhum a que possamos chamar bonito. CU(s) velhos que todos teremos um dia se tivermos sorte!...
    Mas CC parece-me coisa de gago. De disco riscado a latir sempre na mesma nota. Entre uma coisa e outra não balanço e amando-me para os lados da... Foz velha a ver morrer este dia.
    Vou.
    Dri

    ResponderEliminar
  28. Carlos é bem o que disse - a lingua portuguesa nos prega peça principalmente vinda daí rs quando li o tema logo pensei- nossa! Que será isso? kkkk Saudade do seu 'rochedo'... abraço

    ResponderEliminar