quarta-feira, 9 de julho de 2008

Choro por ti, Perito Moreno!

Há mais de 24 horas que estou triste! É uma tristeza imensa. Tão grande, tão grande, tão grande, que a custo consigo escrever este post. A causa da minha tristeza chama-se Perito Moreno.
Situado no Parque Nacional de Los Glaciares, na Patagónia Argentina, é uma das maiores maravilhas da Natureza que eu já pude observar. Não se trata de exagero. Conheço 94 países e sei do que falo.
Quando lá estive, poucos meses depois da Cimeira do Rio de Janeiro, tinha programado uma visita de meio dia. Era Verão e esperava ver o Perito Moreno a deixar desprender das entranhas um bocado de si, em jeito de lágrima lançada por alguém que sofre em silêncio a violência do ser humano. Acabei por ficar um dia inteiro a contemplar aquela maravilha.


Senti-me pigmeu perante aquela grandiosidade. Senti a fragilidade do ser humano perante aquele monstro que, apesar de amputado durante os meses de verão do hemisfério sul, continuava a crescer. Visitei as grutas de Cueva de Galicho ( nas margens do Lago Argentino) marcadas pela arte rupestre de habitantes pré-históricos que ali se refugiavam.
Seriam umas três da tarde quando, sob um límpido céu azul, ouvi estrondos de trovão. Era um enorme bloco de gelo, com algumas toneladas, que se desprendia do Perito Moreno e mergulhava na água. Espectáculo sublime, único, ímpar, só possível de ser visto entre Janeiro e Março.
Na segunda –feira à noite, ouvi na Sic-Notícias que bocados do Perito Moreno se estavam a desprender em pleno mês de Julho ( inverno no hemisfério sul), fenómeno raro que não se verificava há quase um século. Eu sei que há sempre aqueles ambientalistas cépticos,(link) que dizem que é uma situação normal. Para mim não é. Interpretei o desprendimento como um aviso do Perito à Humanidade, principalmente aos abutres do G-8 que àquela hora discutiam no Japão o preço do petróleo, armas de defesa, a Guerra das Estrelas nos céus da República Checa e essa merda da economia global que nos há-de permitir morrer afogados em telemóveis, i-phones , i-pods e uma parafernália de maravilhas tecnológicas, mas que se recusa a dar de comer a milhões de famintos que diariamente morrem às mãos das suas leis aberrantes.
O Perito Moreno lançou um alerta, ao jeito de quem diz: “Salvem-me e salvem a Natureza enquanto é tempo”, mas os abutres do G-8 encolheram os ombros, indiferentes e engravatados, e voltaram a exigir o aumento da produção de petróleo, de modo a que os cidadãos dos países ricos continuem a poder andar de cú tremido para, embalados pelo canto da sereia consumista, desaguarem nas catedrais do faz -de-conta e do supérfluo.
O G-8 percebe é de números, de notas, de cartões de crédito, de taxas de juro, de acções, obrigações e de PIB’s . Não percebe nada da Natureza.
O G-8 quer é cidadãos adormecidos e amorfos, desprovidos da capacidade de pensar e de se indignarem, abismados com os brinquedos da sociedade da hiperescolha, feitos à medida, com que se entretêm todos os dias. De Natureza, os cidadãos não precisam de saber nada. O importante é que continuem a trautear, felizes, a música da Internacional Consumista e de quando em vez, como forma de expiação dos seus pecados, dêem uns donativos para o Banco Alimentar Contra a Fome.

18 comentários:

  1. Que tristeza, Carlos.
    Infelizmente parece que o Homem só vai acordar quando já for tarde.

    ResponderEliminar
  2. Desde que li «Na Patagónia«, de Bruce Chatwin, essa é-me uma região muito apetecível e esse é, na verdade, um acontecimento triste...

    ResponderEliminar
  3. Na natureza existem sem duvida as mais belas maravilhas.

    Não conheço o Perito Moreno, mas não tenho a menor duvida, como descreve, ser um local sublime.

    Poucos são os que vão dando o devido valor à protecção e preservação da natureza, vivemos virados para nós mesmos e o resto, logo se vê.

    Mas, ainda vai havendo alguém que se importa, bem haja por isso.

    Beijo

    ResponderEliminar
  4. Vi as imagens na SIC.

    A mim não me parece nada normal o que vi, a continuarmos a chupar para canto quando se discute as questões ambientais,qualquer dia,rapidamente,vai deixar de existir o Perito Moreno.

    Pedro Oliveira

    ResponderEliminar
  5. O G-8 não percebe nada da natureza nem quer perceber, porque para eles ela simplesmente está aqui simplesmente para os servir.

    O pior é se ela se zanga! Os sinais estão por aí, também no Perito Moreno. Entretanto a populaça coça a barriga e renova-lhes a confiança

    ResponderEliminar
  6. Verá o que vai acontecer: manifestações por todo o lado, os movimentos ecologistas a protestarem, a dizer isto e aquilo, as cimeiras vão tomar medidas que ninguém vai seguir e depois vamos continuar precisamente na mesma. A venda das indulgências continua tão viva como no século XVI, a limpar a consciência humana.

    ResponderEliminar
  7. Que injustiça! Eles fartaram-se de discutir o problema da fome, enquanto degustavam trufas e caviar.

    ResponderEliminar
  8. Patti e Cristina: o melhor é irem lá enquanto é tempo. Mas aviso desde já que, nos últimos anos, aquilo virou uam romaria turística infernal. Embora ( por diversas razões) Janeiro e Fevereiro sejam os melhores meses, uma ida em época baixa evita andar à cotovelada com os turistas do lado.

    ResponderEliminar
  9. Coragem: quem se importa com estas coisas normalmente não pode fazer nada para que as coisas se alterem. Esse é o drama!

    ResponderEliminar
  10. Pedro: deixar de existir, não será muito provável neste século,mas continuara chutar para canto parece que sim, como se viu ontem na Cimeira dos G-8

    ResponderEliminar
  11. salvoconduto: e as pessoas vão votar nestas azémulas, convencidos que estão a exercer um acto democrático com vista à defesa dos seus interesses.

    ResponderEliminar
  12. Fada:os manifestantes são cada vez menos e a hipocrisia é cada vez mais.

    ResponderEliminar
  13. maloud: constou-me, inclusivé, que alguns se queixaram que a comida era pouca.

    ResponderEliminar
  14. Já vi coisas maravilhosas na Natureza, no entanto ainda não tive o privilégio de visitar a Patagónia.
    Ver derramar uma mágrima naquele cenário deve ser impressionante.
    Mas só para quem tem sensibilidade para isso e os senhores do G8 não têm de certeza.
    Consta que na cimeira de Roma, a Graça Gucci, como é conhecida a mulher de Robert Mugabe, além dos milhares de dólares que gastou na Via Veneto, ainda atafulhou os porões do avião presidencial de spaguetti, trufas e outros bens alimentares.
    Mas não para o povo, que esse nem gosta.
    veludinhos azuis

    ResponderEliminar
  15. Mais facilmente o G-8 taxa a Natureza, do que faz alguma coisa para a salvar. É triste.

    E se quero ver o Perito Moreno, convém despachar-me a marcar a viagem. Se bem que viajar de avião é aumentar o impacto negativo sobre o ambiente...

    Gostei do blog, vou voltar! =)

    ResponderEliminar
  16. blue:a Graça é muito sesnível... até era capaz de levar para casa um bocado do Perito Moreno para pôr no congelador e servir de gelo para o whiskey dos seus convidados.

    ResponderEliminar
  17. magucha: pois essa coisa do impacte ambiental das viagens de avião ´uma chatice, é verdade, ma enquanto não inventarem aviões eléctricos...
    Ainda bem que gostou de cá vir. Eu também gostei de visitar o seu blog pelas razões que deixei num comentário.

    ResponderEliminar
  18. É...parece que coisificar a natureza é uma tática inteligentísssima de nossos dirigentes, daqueles que dizem se preocupar com o meio ambiente, que estão tranquilos em suas casas, de barriga cheia , matando a sede com Perrier, enquanto pensam estar contribuindo para o bem da humanidade. Sei...

    ResponderEliminar