segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Memórias em vinil (CCXCV)

E que tal dedicar a semana a recordações da canção portuguesa?
Comecemos então com Carlos Paião e pó de arroz .Mas não se excedam por causa das alergias, ok?
Boa noite e boa semana

O fotógrafo estava lá, mas alguém trocou a legenda...



"Na Alemanha o governo subiu o preço dos combustíveis.
Em apenas uma hora  as pessoas abandonaram seus carros nas ruas e avenidas e foram a pé para casa. 
Mais de um milhão de carros abandonados 
Tiveram que baixar o preço
Quando o povo é inteligente os corruptos não conseguem concretizar seus objetivos"

Topa-se logo que esta notícia que anda a circular no FB   é uma notícia falsa, não é verdade? Mas o que é  exactamente  denunciador da falsidade?

Pequenas coisas sem importância...

Sabendo que  a justa luta dos professores teve um final feliz para as suas pretensões, só queria colocar algumas questões:
1- Os professores que se reformaram durante o período de congelamento das progressões também vão ter recontagem de tempo e actualização do reforma?
2- E nesse caso, igual critério será adoptado em relação aos restantes funcionários públicos, polícias, profissionais de saúde, etc?
3- Os directores/professores que ameaçaram com processos disciplinares os alunos que tiraram fotografias das condições em que são servidas as refeições nas cantinas terão direito a louvor e redução do tempo de serviço?
4- É verdade que em algumas escolas   (disseram-me que pelo menos em duas)  foi criada uma  escala de vigilância nas cantinas, durante a hora do almoço,  para impedir os alunos de tirarem fotografias?

domingo, 19 de novembro de 2017

À espera de uma limpeza geral

O ambiente no futebol está insuportável. 
O que está a ser posto em causa são  instituições como a justiça e entidades dirigidas por pessoas que não conseguem despir as vestes clubísticas quando têm de decidir.
Pode questionar-se o teor de uma sentença mas nunca- a não ser no âmbito do futebol- foi colocada a idoneidade e isenção dos juízes quando decidem. Muito menos se pode por em causa a isenção de um juiz, por ser adepto do clube A ou B e defender que só os juízes adeptos do clube que critica são isentos
Não vale a pena discutir se a culpa é dos dirigentes  ( a todos os níveis e não só dos clubes)  que não têm educação, nem  sabem falar ou ler, dos directores de comunicação que se comportam como incendiários, dos jornalistas que, na generalidade, não conseguem ser isentos, ou dos comentadores que, além de serem lacaios dos clubes, se  comportam num estúdio  de televisão como se estivessem à mesa do café.
O desrespeito pelos espectadores, leitores, adeptos e sócios é generalizado e não vejo hipótese de inverter a situação. Uns lutam despudoradamente por audiências, outros por poder no mundo do futebol, procurando alcança-lo sem quaisquer escrúpulos.
Não vejo outra maneira de parar esta escalada sem o contributo dos patrocinadores das Ligas Profissionais e das Taças de Portugal e da Liga.
No dia em que todos decidirem deixar de patrocinar estas competições enquanto persistirem as suspeições ou acaba a discussão, ou acaba o futebol. Talvez a segunda hipótese fosse mesmo a melhor solução.
Em tempo:  nem todos os dirigentes são iguais e meter todos no mesmo saco é injusto. Nunca vi Pinto da Costa ser ordinário, por exemplo. Já Bruno Carvalho e Luís Filipe Vieira, todos temos ouvido como falam.
E quanto a claques, vemos o lider dos Super Dragões ser condenado por causa de um cântico ( de muito mau gosto, mas foi só um cântico) enquanto as claques benfiquistas já mataram dois adeptos de um clube ribval e feriram gravemente atletas de outros clubes, nomeadamente o hoquista Filipe Santos, que esteve à beira da morte.
O pior defeito de um dirigente desportivo é, porém a cobardia. Ao negar a existência de claques no SLB, ou que o seu amigo Pedro Guerra tenha alguma vez sido funcionário do Benfica. LFV assume-se como um cobarde!

Dia do Bilhete Postal Ilustrado (78)

Que c'est triste Venise numa manhã de Fevereiro de 1971!

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Memórias em vinil (CCXCIII)

Quem se lembra desta menina, desta canção e deste filme? E já agora de Sidney Poitier...
Boa noite

Curiosidades do Convento



O Convento de Mafra começou a ser construído  em 1717.
Hoje, dia 17 /11/17,  o Convento  comemora 300 anos.
Se fosse vivo, o autor de Memorial do Convento teria comemorado ontem o 95º aniversário.

Do Panamá ao Paraíso: show must go on

Primeiro foram os Panama Papers. Grande estrondo. Muito barulho no início, seguido de um (in)explicável e comprometedor silêncio. Como se (afinal) nada se tivesse passado.
Agora o que está a dar são os Paradise Papers, a fuga fiscal dos famosos, que puseram a bom recato as suas fortunas, para não terem de pagar impostos.
Da realeza a estrelas da música , passando por magnatas, poucos são os que não puseram o seu dinheirinho a bom recato. 
Poderá estranhar-se a presença de Bono, o solidário, na lista dos que andam a gozar com as pessoas que não podem fugir aos impostos porque trabalham por conta de outrem, mas Bono terá certamente uma explicação plausível para dar aos jornalistas: põe o dinheiro em off shores, porque com o que poupa em impostos, organiza mais espectáculos de solidariedade.
O que mais irrita nisto tudo, é que todos estão conscientes da impunidade. Eles nem fizeram nada de ilegal, apenas  aproveitaram as oportunidades que o sistema criou para que sejam apenas os trabalhadores a pagar impostos e assim sustentar os mais ricos e poderosos.
Entretanto, a indignação vai esmorecer e ninguém mais se irá preocupar com os Paradise Papers, nem com os off shores. Até ao dia em que surja outro escândalo para alimentar a indignação. Porque o circo tem de continuar, para  alimentar o povo de...indignação.

O grande sucesso das privatizações

O governo que privatizou tudo a eito e sem critério, deve estar orgulhoso do seu trabalho.
Os CTT - uma empresa sólida e com grande credibilidade entre os portugueses quando era pública- está a atravessar uma crise de identidade. Além de os seus novos proprietários não saberem se estão a gerir um banco ou uma empresa de correios, o serviço prestado aos utentes deteriorou-se significativamente ( já aqui apontei vários casos) e a sua cotação em bolsa caiu com estrondo.
A Altice está numa situação financeira calamitosa, pondo em risco a existência daquela que chegou a ser a mais importante empresa do sector das telecomunicações e, quanto à TAP, nem a tentativa deste governo de minorar os efeitos de uma privatização escandalosa, feita pela calada da noite e nos últimos dias do governo PSD/CDS deverá impedir o desastre.
Na impossibilidade de reverter as privatizações selvagens, seria muito oportuna uma investigação séria aos negócios e lucros que se escondem por detrás de todas as privatizações. Creio que teríamos algumas surpresas, porque ao contrário do que se apregoa, as privatizações não tiveram apenas conotações ideológicas

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Memórias em vinil ( CCXCII)




Até parecia mal não trazer aqui a Madonna!Um desrespeito para esta nova lisboeta que tanto tem entusiasmado a nossa comunicação social, numa prova de deslumbramento parolo.
De qualquer modo, esta memória é incontornável, não é?
Boa noite!

Tão amigos que eles eram...

Há pouco via Mário Nogueira na televisão, com aquele ar alucinado que lhe é característico, a garantir que se o governo não satisfizesse as pretensões do seu sindicato traria 100 mil professores para a rua.
Foi então que me lembrei do tempo em que os professores eram despedidos aos milhares, convidados a emigrar, viam os salários reduzidos e a sua dignidade profissional achincalhada.
Nesse tempo,  era desta  forma amistosa que Mário Nogueira cumprimentava o pm responsável pelo período mais negro vivido por uma classe profissional que muito admiro e respeito.
Mário Nogueira faz-me lembrar aqueles prisioneiros que admiram o carrasco, mas insultam o advogado que se esforça por lhes reduzir a pena.
Sejamos claros: os professores perderam privilégios com o governo PSD/CDS e , legitimamente, pretendem recuperá-los. Não pretendam é voltar ao tempo em que eram promovidos mesmo sem dar aulas. Estavam nas bibliotecas das escolas ou em organismos públicos a fazer concorrência aos funcionários públicos e, muitas vezes, a impedir-lhes a progressão na carreira.

OE 2018: gato escondido com o rabo de fora




Deputados da oposição, especialistas da área económica, financeira ou da treta,   jornalistas e comentadores afectos a PSD, CDS e afins, têm tecido duras críticas a todos os OE do actual governo.
Nos dois primeiros anos diziam que os OE eram irrealistas, os objectivos não poderiam ser cumpridos e era inevitável um novo resgate. A realidade desmentiu-os com iniludível firmeza.
Cansados de falhar as previsões, os profetas da desgraça centram as críticas  ao OE 2018, no facto de condenar à indigência as gerações futuras, vítimas da tresloucada teimosia da geringonça em devolver salários e pensões que o governo PSD/CDS, com a prestimosa colaboração do então presidente da CE, Durão Barroso*,  roubou a funcionários públicos e reformados.
Confesso que fico desvanecido com a preocupação dos Pafiosos em relação às gerações futuras. Pena é que não bata a bota com a perdigota.
Com efeito, se a preocupação dos Pafiosos for genuína deveriam, antes de mais, exigir que fossem tomadas medidas que assegurassem uma efectiva preocupação ambiental, nomeadamente em relação ao  desenvolvimento e consumo sustentáveis, bem como no combate à desertificação do país.
Ora todos sabemos que as medidas tomadas pelo anterior governo nesta matéria foram sistematicamente perniciosas para a defesa do ambiente, dos solos e do território em geral.
Quero por isso alertar todos os que criticam o OE por não salvaguardar os interesses financeiros das gerações futuras, que não há razões para alarme.  Se a destruição continuar a este ritmo frenético, as gerações futuras terão que se preocupar com problemas bastante mais vitais do que a questão financeira.  Como a falta de água, por exemplo...
*Em tempo: para quem tem a memória curta, recordo que em 2013 Durão Barroso prestou-se a um papel miserável para ajudar o governo. Temendo um chumbo do Tribunal Constitucional a medidas como o corte dos salários e pensões, encarregou alguns funcionários da Comissão ( à qual presidia) de elaborar um relatório onde "acusava" o TC de se comportar como um "legislador negativo". O relatório questionava a idoneidade e isenção dos juízes. sugeria  que alguns estavam comprometidos politicamente com a oposição e terminava com a ameaça de um segundo resgate se os cortes fossem considerados inconstitucionais.
O TC chumbou os cortes e, quatro anos depois, não houve novo resgate, os salários e pensões foram restituídos, a economia está a crescer, o desemprego a baixar, a dívida a ser reduzida e o investimento externo a aumentar. As Cassandras, afinal, eram alcoviteiras ao serviço dos poderosos.

Um piriquito muito atrevido



Horácio Piriquito, ex-jornalista, é o mais recente exemplo da rede montada pelo SLB para recuperar o estatuto de clube protegido do sistema, que deteve durante o Estado Novo ( atenção benfiquistas: não me venham com a lenga lenga de que o Estado Novo até detestava o SLB por ser vermelho, porque hoje já me ri o suficiente).
O e-mail em que diz a Pedro Guerra que lhe manda um documento confidencial, que ainda nem sequer foi discutido na FPF, é bastante elucidativo sobre a forma como o cancro encarnado tem envenenado o desporto português. mas não só. Quem pensar que a acção dos dirigentes e capangas benfiquistas se restringe ao desporto está bastante enganado. Há quem deseje Berlusconizar a política portuguesa, dando ao SLB o poder que teve o Milan no tempo de Sílvio Berlusconni. As circunstâncias, de momento, são favoráveis, mas a qualquer pode haver um revés idêntico ao do Milan, que se eclipsou desde a saída de cena dos seu presidente e proprietário, que acumulava com as funções de primeiro ministro.

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Memórias em vinil (CCXCI)

Eu sei que foi Elaine Page quem celebrizou esta extraordinária canção, na Ópera Evita. Até porque por essa altura estava em Londres e não falhava um musical.-
No entanto, o seu a seu dono. Foi Julie Covington quem primeiro gravou "Don't cry for me Argentina e por isso é essa a interpretação que aqui recordo hoje.
Tenham uma boa noite!

Os professores têm razão mas...

Os professores têm carradas de razão na sua luta. Não podem, nem devem, é confundir a opinião pública comparando a sua situação com a dos restantes funcionários públicos. É a razão é simples. Enquanto os professores sempre foram promovidos automaticamente, em função do tempo, os restantes funcionários públicos tinham de fazer concurso, só podendo progredir se houvesse vagas.
Acrescente-se que, após o descongelamento, continuarão a ser muito beneficiados, pois a sua progressao na carreira é muito mais rápida do que a dos funcionários públicos.
Assim, enquanto a esmagadora maioria dos professores pode atingir o topo da carreira, só uma ínfima parte dos funcionários públicos pode aspirar atingir essa meta.
É sempre melhor ser claro, do que tentar confundir a opinião pública com uma mentira.

A justa luta dos professores

Compreendo muito bem a luta dos professores mas, convenhamos que a sua situação melhorou muito depois do 25 de Abril.
Tenho a certeza que alguns deles ainda se lembram muito bem desta que o Estado Novo impunha às professoras.

Tenho uma má notícia para si, senhor Presidente!



Kayin people Myanmar


Lamento muito informá-lo, caro Presidente Marcelo, mas ao contrário do que costuma apregoar por aí, os portugueses não são o povo mais generoso do mundo. Eu sei que não é o único a ver nos tugas virtudes que eles não têm mas, em virtude da gravidade da notícia que ontem me chegou, achei por bem informá-lo em primeira mão do nefasto acontecimento.
Na verdade, professor Marcelo, os portugueses não só não são o povo mais generoso e solidário do mundo, como nem figuram no pódio.  Nem sequer nos 10 primeiros lugares. Pior ainda, senhor Presidente ,não estão entre os 20, nem entre os 50, nem mesmo entre os 100 povos mais generosos do mundo!
O povo cuja generosidade  V.Exª não se cansa de enaltecer, ocupa um modestíssimo 104º lugar no ranking dos povos mais generosos  do mundo.
A terrível notícia foi dada pela Fundação Mundial para a Ajuda e Caridade, no dia Mundial da Bondade, que se assinalou na segunda-feira, 13 de Novembro.
Espero que esta notícia não o abale e até o incentive a prosseguir a sua política dos afectos. Já agora, senhor presidente, sugiro-lhe a visita aos três países mais generosos do mundo, onde os seus afectos serão certamente retribuídos com algo mais singelo e menos sofisticado do que as "selfies", mas com muita bondade.
São eles: Myanmar , Indonésia e Quénia. Quem os conhece percebe bem porquê e nem sequer estranha que Myanmar ocupe o 1º lugar pelo quarto ano consecutivo.

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Memórias em vinil (CCXC)

Ainda na América do Sul, mas hoje  com outras memórias e noutro registo.
Gracias a La Vida, hoje ainda  vos posso desejar Boa Noite.

O Alerta que vem de Bona




Em Bona, durante mais uma reunião sobre o clima, um grupo de cientistas alerta a Humanidade: estamos a destruir o Planeta!
Ouvi o mesmo aviso há 25 anos no Rio de Janeiro. Foi aí que também confirmei as previsões que um grupo de cientistas, todos galardoados com o prémio Nobel, vinham fazendo desde 1987. Em 1992, na Cimeira do Rio, reiteraram as suas preocupações com o clima e anunciaram que a Península Ibérica ( especialmente Portugal), Califórnia, Austrália e América do Sul ( especialmente Chile) seriam os mais afectados por incidências climáticas extremas, de que resultariam cheias, incêndios e prolongados períodos de seca. Os mesmos cientistas alertaram para o risco de desertificação em Portugal, Chile, Califórnia e várias regiões da Austrália e do sul da Europa (no prazo de 75 a 100 anos) se não fossem tomadas medidas drásticas. Precipitações muito intensas e localizadas ( em detrimento das chuvas moderadas estendendo-se por extensas superfícies) e aumento da intensidade e frequência de tufões e furacões, bem como a disseminação de tornados por regiões nunca dantes afectadas, foram também anunciadas.
Tudo o que aqueles cientistas então expressaram num documento conjunto se tem vindo a verificar. No entanto, tal como então no Rio de Janeiro , antevejo muita gente preocupada em Bona, promessas de alteração de  comportamentos e tomadas de medidas por parte de governos, conducentes ao consumo e desenvolvimento sustentáveis.
Semanas depois tudo estará esquecido e os governantes voltarão a governar para se perpetuarem no poder.
 Merkel, por exemplo, disse na sexta-feira que "temos de arrepiar caminho se queremos salvar o Planeta" mas, dias antes, milhares de pessoas desfilavam em Colónia em protesto contra a abertura de várias minas de lignite , um carvão extraordinariamente poluente e uma das formas mais sujas que se conhecem de obter energia.
Já nem a China, que assentou o seu progresso económico na energia do carvão e outros combustíveis fósseis, usa a lignite para produzir energia mas, na Alemanha da preocupada senhora Merkel, a exploração de minas de lignite está em grande.

Tertúlia dos Idiotas

Na noite de sexta-feira estive durante quase meia hora a ouvir 3 idiotas, sem qualquer conhecimento sobre o assunto, a falar sobre a legionela na RTP 3.
As asneiras que Raquel Varela, Rodrigo Moita de Deus e Joaquim Vieira disseram durante o programa "O último apaga a luz " é exclusivamente fruto de ignorância.
 A melhor tirada, porém, foi a de Raquel Varela. Indignada, disse que é incrível as pessoa irem ao Hospital com saúde e depois morrerem. Eu apenas pergunto uma coisa: as pessoas com saúde vão ao Hospital fazer o quê? E se a senhora a que RV se refere respirava saúde por todos os poros, porque razão estava internada?
Melhor do que esta idiotice de Raquel Varela só a do deputado do PSD, Leitão Amaro,  quando jurava que o seu governo tinha proibido a legionela.
Para a próxima, sugiro que se preparem antes de discutirem os assunto. Como fez Inês Serra Lopes.Sem deixar de tecer duras críticas ao Governo, mostrou estar minimamente preparada para discutir a questão
Quanto aos outros, esqueceram que  um programa de televisão não é palco para as cretinices das redes sociais. Fizeram, por isso, figura de idiotas, o que sinceramente lamento, até porque alguns deles são gente que pensa.