quinta-feira, 17 de Abril de 2014

Tinham mesmo de vir estragar este momento épico?

Andava  tudo eufórico a anunciar amanhãs que cantam, porque a queda dos juros e o crescimento económico são irrevogáveis e eis senão quando a "Economist" vem refrear os ânimos e alertar os investidores que o entusiasmo é manifestamente exagerado!

Adivinhem quem ( não) vai ganhar um AUDI

Já aqui disse que desde sempre me habituei a pedir facturas e não vou aqui repetir as razões por que o faço.
Na segunda-feira fui ao portal da AT ver quantos cupões tinha para o sorteio desta noite e, (ó espanto!) não tinha nenhum.
Telefonei para o número que lá indicam e uma senhora muito simpática ficou tão confusa quanto eu. As facturas estavam lá, a senhora confirmou que estavam todas validadas, tudo regularizado, mas não me conseguiu explicar a razão de não me terem sido atribuídos os cupões para o sorteio ( seriam cerca de 80).
Incapaz de me ajudar a resolver o problema, aconselhou-me a enviar um e-mail para uma pessoa que me ajudaria a resolver o problema.
Enviei na hora. Até hoje, não obtive resposta. A que mãos terão ido parar os meus cupões? 
Não é que esteja interessado no AUDI, mas ver-me excluído sem qualquer explicação, depois de ter feito tudo direitinho, não ter quaisquer dívidas ao fisco e ser um contribuinte exemplar, isso chateia-me!  Sinto-me um totoexcluído, entre os 8 milhões de candidatos

Obrigado, senhores Vampiros!

Nesta época pascal, não podia deixar de agradecer à senhora Merkel e ao senhor Obama os esforços que têm feito para atear uma guerra na Europa. A avaliar pelos resultados que estão a obter na Ucrânia, onde o sangue já começou a jorrar, os seus esforços serão em breve coroados de sucesso.
O Alto Comissariado para os Direitos Humanos, da ONU, também deu uma boa ajuda...

O corte das gorduras

A ministra Albuquerque anunciou ao país os cortes para 2015. Embora o dissesse em tom solene, foi desde logo perceptível que estava a mentir, quando garantiu o corte de 730 milhões nos consumos intermédios do Estado.
Trata-se de uma mentira demasiado óbvia. Se fosse fácil cortar nas gorduras do estado, o governo certamente já o teria feito há muito. 
Não o fez, nem vai fazer, porque as gorduras do estado alimentam uma clientela partidária que pulula em gabinetes de advogados, economistas e ambientalistas cuja sobrevivência depende dos favores do Estado.
 Não o fez, nem vai fazer, porque nenhum governo foi ainda capaz de acabar com a corrupção moral que grassa na administração pública. 
Não o fez, nem vai fazer, porque continuam a gastar-se, todos os meses, milhares de euros em viagens inúteis de funcionários menores para paraísos distantes.
Não o fez, nem vai fazer, porque o governo não tem força (nem vontade) para enfrentar alguns grupos instalados que parasitam à volta do Estado e dele se alimentam para garantirem a sobrevivência.
Os cortes que Marilú anunciou não serão, uma vez mais, nas gorduras do Estado. São no osso. Prevêem-se, por isso, mais cortes na saúde, na educação e na segurança social. Talvez mais alguns despedimentos. Quanto ao resto, o regabofe continua.

quarta-feira, 16 de Abril de 2014

A justiça está a funcionar

 Tempos houve em que a tradição mandava libertar um ladrão durante a Páscoa. Louve-se por isso a justiça portuguesa que decidiu recuperar essa tradição ancestral.
Se me tivessem dado a oportunidade de votar,  teria optado por libertar um pilha galinhas, mas a justiça indígena  preferiu  libertar um preso com pedigree.

Belisquem-me, porque eu não acredito que seja verdade!

Foto do "Expresso"


A gente lê e não acredita! Para Passos Coelho, mentir é tão natural como respirar!

Qual é o cúmulo da cretinice?

Afinal havia outra

Anda o Portas afogueado a convocar os partidos para discutir a reforma do Estado, vem a Marilú e diz aos jornalistas que a reforma do Estado é aquilo que ela anda a fazer . Em  poucos segundos - apenas com uma frase -Marilu desautorizou Passos Coelho e roubou o brinquedo ao Portas

António José Seguro é irresponsável!

Nos últimos dias, têm-se multiplicado os ataques ao PS, acusando o partido e os seu líder de grande irresponsabilidade e incoerência.
Fonte próxima de PPC disse mesmo ao CR: 
- É inadmissível que o PS continue a falar na necessidade de crescimento e não reconheça os esforços deste governo nessa matéria. Desde que somos governo cresceu o desemprego, cresceu a pobreza, cresceu a emigração, cresceu o número de falências e insolvências, cresceu o número de milionários, cresceu a conta bancária de muitos militantes e simpatizantes do PSD e do CDS. Que é que o PS quer? Que cresça  também a economia? Francamente! Isso é pura demagogia! O governo não pode fazer tudo ao mesmo tempo e o PS só fala do crescimento da economia, para desvalorizar as outras áreas onde houve um crescimento indiscutível que o PS não conseguirá nunca escamotear. 

Resumindo...

terça-feira, 15 de Abril de 2014

SIC laranja, SIC cristal

Depois das entrevistas a Durão Barroso e Passos Coelho não me sai da cabeça a publicidade à BIC:
SIC laranja, SIC cristal, duas entrevistas à sua escolha, mas o guião é sempre o mesmo: a culpa é do Sócrates.

O brinquedo

Quem quer mandar o Portas brincar com o novo brinquedo da Majora?


Sábado à noite, enquanto passeava à beira rio iluminando a noite com a sua fosforescente dentadura, Paulo Portas escondia, atrás de um sorriso forçado, a preocupação que o atormentava. Como iria passar a semana santa sem uma viagenzinha até qualquer sítio onde pudesse aliviar a frustração de viver num país de analfabetos à beira da miséria?
Como poderia suportar abrir os jornais, ligar o televisor ou navegar na Internet e deparar com notícias provocatórias, opiniões desbragadas,  ou piadas endémicas, sobre o relógio que com tanto entusiasmo e fervor patriótico inaugurou no Inverno, para  explodir numa manhã de primavera, no dia da celebração da Independência, agendado para 18 de Maio?
Tornada pública a notícia de que a independência formal só chegaria em pleno verão e a real só daqui a uns 30 ou 40 anos, Paulo Portas não conseguia suportar a ideia de estar constantemente a ser gozado pela oposição e, pior ainda, por alguns dos seus parceiros de coligação. Na última reunião do conselho de ministros, até a Marilú cometera a ousadia de fazer uma piada um bocadinho ordinarota sobre o assunto, que mete um relógio de cuco.
 Noutros tempos,  quando era ministro dos negócios estrangeiros, preenchia os escassos dias que passava em Lisboa  com idas ao cinema ou conversas  com os amigos Pires de Lima  e Mota Soares, que o confortavam e incitavam a permanecer no governo, suportando as humilhações de Gaspar e Coelho. Mas a partir daquele fatídico dia de julho, em que anunciou a sua irrevogável demissão, Lima entrou para o governo e deixou de ter tempo para o aturar e Mota Vespa Soares andava tão assoberdado a fazer cortes aos pensionistas, que apenas lhe dizia:
"Desculpa lá, Paulo, mas o Pedro e a Marilú não me deixam um minuto livre, enquanto eu não tomar medidas que garantam que nenhum reformado sobrevive mais de  cinco anos após começar a receber a sua pensão. Mas eu estou contigo, Paulo! Até já."
Ir ao cinema sossegado para espairecer tornou-se tarefa quase impossível desde que aquele cinema esconso, num centro comercial de Alferragide, foi descoberto como seu refúgio de eleição. Em dias piores, chega a arrepender-se  de ter recuado na irrevogabilidade da sua demissão. 
Passava já da meia noite, Paulo Portas percorria pela enésima vez aquele trajecto à beira rio tão do seu agrado, quando ganhou coragem para telefonar a Passos Coelho:
- Eh pá, tens de me desenrascar! Na próxima semana tenho de ficar em Lisboa e já não suporto as piadas sobre o relógio. Tens de arranjar qualquer coisa para eu fazer e me manter distraído, sem tentações para ler jornais, ver televisão ou navegar na internet.
- Não te estou a perceber, Paulo! Andaste a chagar-me para te arranjar um gabinete ao pé do Jardim Zoológico para poderes estar em contacto com os bichinhos, porque é que não ficas lá? 
– Eh pá, nem me fales nisso! Olha que  até  os bichinhos já  me perderam o respeito.  Há dias, até um papagaio foi inconveniente comigo. Imagina que me mandou ir dar corda ao cuco, porque a troika já só ia embora em Julho e o meu relógio não tinha pilhas até lá!
- Então porque é que não ficas a ler? Se quiseres recomendo-te uns livros engraçados para te distraíres. É isso que eu faço com as miúdas cá em casa e resulta…
- Ando com problemas de concentração, Pedro! Ler já não é remédio. Precisava de uma tarefa de estadista que me desse gozo e protagonismo, percebes?
- Já sei, pá! Vais chamar os  partidos para eles dizerem o que pensam do guião
- Qual guião?
- O da reforma de estado, qual havia de ser!....
- Ah! Estás a falar daquele teste americano com espaços em branco para os partidos preencherem?
- Isso mesmo.
- Boa ideia, Pedro! Isso vai restituir-me a dimensão de estadista e fazer subir a minha autoestima. Mas para a coisa ser perfeita, posso recebê-los na AR? Sempre tem outro estatuto, não achas?
- Está à vontade, Paulo. Olha, diverte-te. Na terça feira lá nos encontramos na Gomes Teixeira para fazermos mais uns cortes. Conto com o teu apoio!
- Claro que sim, Pedro! És um compincha e um amigão. De mim podes contar com tudo, desde que cumpras a promessa de me arranjares um lugar europeu antes das legislativas. Obrigado pela tua sugestão, pá! Vou divertir-me à brava a receber os partidos e depois a ouvir as declarações deles e as interpretações dos comentadores. Vai ser uma semana em cheio. Olha lá, não posso delegar na Cristas o meu voto no conselho de ministros?
- A gente depois fala nisso. Agora deixa-me ir dormir. Um bom domingo de trabalho para ti.
Quando Passos finalmente despachou Portas, a Laura perguntou:
Que é que o gajo queria a esta hora da noite?
Sempre a mesma coisa… já sabes como é o Paulo! Queria um brinquedo novo mas, como a vida não está para submarinos, arranjei-lhe um brinquedo virtual.
E qual foi o brinquedo que lhe deste?
A reforma do estado.

O moço de fretes

Marilu anunciou há minutos um novo pacote de austeridade que, para não variar, incide sobre os funcionários públicos, embora a ministra das finanças o negue. Despedir funcionários ou enviá-los para a mobilidade especial e pagar-lhes apenas 60% do salário é, na opinião da oxigenada ministra, uma medida que se insere no âmbito da reforma do estado. Cortar despesas na saúde, educação ou segurança social, idem.
Para que as medidas anunciadas sejam melhor percebidas pelos portugueses, Pinto Balsemão convidou Passos Coelho para uma entrevista esta noite na SIC. Desta vez, o moço de fretes é  José Gomes Ferreira, jornalista económico com atributos reconhecidos pelo governo.
Apesar de ser previsível a ladainha de Coelho, acompanhada à viola pelo ajudante Ferreira, não sabemos ainda qual o conjunto de mentiras que os dois prepararam em conjunto, para permitir um brilharete de PPC, ora sublinhado por Ferreira com aplausos, ora com disfarçadas críticas, para enganar o pagode.
Convido-vos, pois, a participar num TotoMentiras na caixa de comentários. O leitor que acerte em maior número de mentirolas do coelho pinóquio não terá direito a um Audi. 


Quem diz a verdade não merece castigo

O PSD está indignado porque os partidos da oposição chamaram mentiroso a Pedro Passos Coelho. Diz Matos Correia que não é bonito chamar mentirosos aos outros
Lá bonito não é mas, se não gostam, porque é que se põem a jeito? Em vez de criticar os outros, o que o PSD devia exigir ao pm era que deixasse de mentir. Desde pequenino que me ensinaram que "quem diz a verdade não merece castigo" e os partidos da oposição apenas disseram uma verdade. Alguém tem dúvidas que PPC é um aldrabão de alto coturno?

segunda-feira, 14 de Abril de 2014

O meu pedido de desculpas aos leitores

Peço desculpa aos leitores por não ter informado que este post não é da minha autoria. Embora os visitantes mais assíduos do CR saibam que a etiqueta EMILIOS significa que recebi o texto por mail, esqueci-me de pôr o texto entre aspas.
Não sei quem o escreveu, por isso não posso pedir desculpa ao autor.Sei que a maioria dos leitores compreende. Só lamento que o maior crítico deste meu lapso, o tenha feito sob anonimato.

Jangada de Pedra

Hoje, quando  cheguei a Lisboa e vi o dia cinzento e manhoso, tive vontade de regressar imediatamente ao Porto. É que nos quatro dias em que lá estive, não só o sol brilhava intensamente, dispensando os agasalhos, como o céu estava de um azul tão  límpido, que até cheguei a pensar que o Verão já tinha chegado.
Longe parecem ir os tempos em que a norte o tempo  e os dias eram mais cinzentos, mais chuvosos e mais frios do que em Lisboa. Será  que se está a cumprir a Jangada de Pedra de Saramago?

Sem vergonha na cara!

O Correio da Manha dá hoje, como exclusiva, uma notícia que eu já divulgara no CR em 2010: Durão Barroso ( como muitos advogados com banca montada por esse país fora e outros ilustres licenciados em direito), concluiu o curso com  passagens administrativas a OITO cadeiras. Era uma prática comum naqueles conturbados tempos pós 25 de Abril na faculdade de Direito. Até se podiam comprar as notas, principalmente se o comprador tivesse boas relações com o MRPP. Esta notícia sobre o jovem  maoísta Barroso  que vandalizou o carro de Soares Martinez e andou a destruir e desviar mobílias da faculdade de Direito é, por isso, irrelevante.
Não sei se alguém no CM anda a vasculhar os arquivos do CR. Sei é que, notícia mais relevante do que a do CM, mas nada surpreendente, é o verme com barbatanas - um dos grandes beneficiados com o sistema-  vir agora dizer que tem saudades do Estado Novo.

A confirmação do embuste

As notícias que ontem vieram a público sobre o novo assalto às pensões, que já estavam decididas no dia em que Marilú mandou o seu secretário de estado fazer um briefing com um grupo de jornalistas, vem confirmar  que tudo não passou de um embuste

Hoje acordei assim

A pensar que o mau humor  de Passos Coelho quando ontem foi apanhado pelos jornalistas em mais uma mentirola sobre as pensões, não se deve ao facto de ter sido apanhado a mentir ( isso é um hábito  tão enraizado, que já não sabe quando fala verdade), mas sim porque o Maduro lhe lembrou que as próximas três semanas só têm quatro dias úteis e a última até da para fazer ponte...
Além disso- desaforo máximo- muitos portugueses até vão aproveitar para tirar uns dias de férias, o que Passos considera uma afronta inadmissível.

domingo, 13 de Abril de 2014

Quiz de domingo

Proposta para um serão de domingo

1-O que é que um tubarão diz para o outro?
-Tubaralhas-me!

2- O que é que uma impressora diz para a outra?
- Aquela folha é tua ou é impressão minha?

3-O que diz  a massa para o queijo?
- Que maçada!
O que responde  o queijo?
- E eu ralado!

4-O que é que um tomate diz para o outro?
- Tomatas-me

5-Sabem quando é que os americanos comeram carne pela primeira vez?
- Foi quando lá chegou o Cristovão co-lombo


 6-Dois pacotes de leite atravessaram a rua e foram atropelados. Um morreu, o outro não, porquê?
- Porque um deles era Longa Vida.

7-Porque é que o elefante não pega fogo?
- Porque ele já é cinza.

 8-O que é que a galinha vai fazer à igreja na véspera de Natal?
- Assistir à Missa do Galo.

9-Como é que as enzimas se reproduzem?
- Fica uma enzima da outra.

10-Por que canta o galo de olhos fechados?
- Porque  já sabe a letra de cor.

11-O Batman pegou no seu bat-sapato social e no seu bat-blazer. Onde foi ele?
- A um Bat-zado.

12-Como se faz uma omeleta de chocolate?
- Com ovos da Páscoa!

13-Por que é que na Argentina as Vacas vivem a olhar para o céu?
- Porque há 'Boi nos Ares'!

14-Para que servem óculos verdes?
- Para ver de perto.

15-P'ra que servem óculos vermelhos?
- Para ver melhor.

16- Qual é a melhor  piada do fotógrafo?
- A que ainda não foi revelada.

 17-Como se diz top-less em chinês?
- Xen-chu-tian.

18- Qual é a diferença entre uma lagoa e uma padaria?
- Na lagoa há sapinho, e na padaria 'assa pão'

19-O que é que um cromossoma diz pró outro?
- Cromossomos bonitos!

E finalmente!
20-No hospital, diz o médico:
- O senhor é o dador de sangue?
- Não, eu sou o da dor de cabeça!

Le premier bonheur du jour

Querem experimentar? Mas cuidado...

sábado, 12 de Abril de 2014

Poema do cortador



Chamo-me Passos Coelho

Cortador de profissão
Corto ao jovem, corto ao velho,
Corto salário e pensão
Corto subsídios, reformas
Corto na Saúde e na Educação
Corto regras, leis e normas
E cago na Constituição
Corto ao escorreito e ao torto
Fecho Repartições, Tribunais
Corto bem-estar e conforto,
Corto aos filhos, corto aos pais
Corto ao público e ao privado
Aos independentes e liberais
Mas é aos agentes do Estado
Que gosto de cortar mais
Corto regalias, corto segurança
Corto direitos conquistados
Corto expectativas, esperança
Dias Santos e feriados
Corto ao polícia, ao bombeiro
Ao professor, ao soldado
Corto ao médico, ao enfermeiro
Corto ao desempregado
No corte sou viciado
A cortar sou campeão
Mas na gordura do Estado
Descansem, não corto, não.
Eu só corto
a Bem da Nação

Futurista? Talvez não...



 “A Nova Era Digital”, de Eric Schmidt e Jared Cohen, Publicações Dom Quixote, 2013, é um trabalho que alguns críticos têm classificado como futurista.  Será. Discordo, porém, dos autores quando restringem o fenómeno  ao mundo digital.
Logo nas primeiras linhas, percebemos que  os autores  conhecem mal a Europa e nunca estiveram em Portugal. Ora leiam:  

“A internet é a maior experiência histórica do âmbito da anarquia. A cada minuto, centenas de milhões de pessoas criam e consomem uma quantidade incalculável de conteúdo digital no mundo online que não conhece, verdadeiramente, os limites das leis humanas. Esta nova capacidade de livre expressão e livre-trânsito de informação deu origem à rica paisagem virtual que hoje conhecemos. Considere o número de websites que alguma vez visitou, os emails todos que já enviou e todos os artigos que já leu online, todos os factos de que soube e todas as ficções que encontrou e descartou. Considere todas as relações estabelecidas, todas as viagens planeadas, todos os trabalhos que encontrou e todos os sonhos nascidos, alimentados e concretizados através desta plataforma. Considere também o que a ausência de controlo hierárquico permite: as vigarices online, as campanhas de intimidação, os websites de grupos de ódio e os chat-rooms de terroristas. É assim a internet: o maior espaço sem lei do mundo”.

Nota pessoal: o maior será, mas dificilmente será tão sofisticado como este espaço à beira mar plantado.


O Herdeiro

Depois do beija mão a Cavaco,  foi  a Bruxelas oscular o cherne. O tipo tem pinta para ser o sucessor de Coelho. A boa imprensa ajuda e  Prosápia   e  uma boa lista de contactos com vigaristas  são meio caminho andado para o sucesso!

sexta-feira, 11 de Abril de 2014