quinta-feira, 6 de setembro de 2018

Uma Alma Inquieta



Eu sabia há três anos que Ela me viria bater à porta a qualquer momento, mas não sabia como seria informado da sua chegada.
Desde Maio que peço, quase diariamente que Ela venha depressa
Há pouco mais de duas semanas fez-se anunciar por um mensageiro  que me avisou da Sua chegada eminente.
Quando a pressenti a pairar sobre o terraço suspirei de alívio e até lhe agradeci. pois foi sempre meu desejo morrer a ver o mar
Preparei-me com tranquilidade para a partida mas ELA, cínica e perversa. tinha-me reservado uma surpresa. Em vez de entrar em casa e me levar sem delongas,  sentou-se ao meu lado no baloiço do terraço, paralisou todo o lado esquerdo do meu corpo e retirou-se dizendo: já não te resta muito tempo, mas ainda tens uma missão a cumprir. Volto quando tiveres terminado.
Quando estava no Hospital de Cascais, pensei que a Cabra queria que eu, num assomo de fúria, escrevesse um post irado a denunciar a foma ignóbil como fui tratado, especialmente por uma enfermeira que às 5 da manhã deve ter saído do bordel directamente para o hospital com o objectivo me azucrinar a vida e a da Baixinha que me acompanhava. Mais tarde, depois de quatro horas  à espera de uma ambulância que me transferisse para o Hospital de Santa Maria ( onde fui muito bem tratado, embora dispensasse ouvir as discussões sobre questões laborais e competências de algum pessoal de enfermagem) confirmei que entregar o negócio da saúde a entidades  privadas cujo único objectivo é o lucro foi um erro colossal e desejo que os mentores das parcerias público - privadas na área da saúde sejam exemplarmente punidos pela abstrusa e inadmissível opção que tomaram ao entregar o negócio da saúde a uma mafia de chulos que deviam estar presos e ter os seus bens confiscados eternamente.
Duas semanas depois o post “Uma noite com os VAMPIROS “, alinhavado na minha cabeça, com o intuito de denunciar os negócios da saúde, está por escrever, porque percebi que a MAGANA, afinal foi condescendente e pretendeu dar-me oportunidade para me despedir doa leitores do CR que ontem completou 11 anos e lhes agradecer toda a simpatia, generosidade e compreensão que tiveram comigo durante o tempo em que o CR durou.
Creio ser uma data bonita para me despedir, dar por terminada a minha aventura na blogosfera e vos dar a garantia de que, seja qual for o sítio para onde a Magana me leve, tudo farei para continuar a ser a alma irrequieta e inconformada que fui neste planeta. O qual- diga-se- não me deixa saudades, pois está cada vez mais mal frequentado, por pessoas obnibuladas pelo consumismo, sem qualquer sentido de decoro, que desconhecem os princípios básicos da educação e não se importam  de  ser governadas por crápulas do tempo da Idade da Pedra, que pretendem por os ponteiros do Relógio do Tempo a andar para trás.
Quero por isso que saibas, Magana, que te estou muito grato por me libertares deste fardo que é a vida neste Planeta e ainda por cima me teres dado oportunidade de me despedir condignamente dos meus estimados leitores, a quem renovo os agradecimentos por todas as palavras amáveis ou críticas que me dirigiram ao longo de 11 anos.
Quanto a ti, Magana, vê lá se me levas para um sítio decente onde valha a pena viver e não haja Facebook, nem Twitter  onde as pessoas põem  a nú a sua verdadeira(má) índole. Uma sociedade onde haja apenas blogosfera e os governantes sejam gente decente, deve ser um local muito mais aprazível do que isto.
Como há dias me dizia um amigo, isto aqui já deu o que tinha a dar.  
Fiquem bem e façam o favor de ser felizes! 
Até um dia, num qualquer  IQ 84, em convívio com Murakami.

segunda-feira, 20 de agosto de 2018

Este país não é para gente. É para selvagens covardes!



Desculpem a insistência, mas não consigo calar a minha revolta, nem esconder o nojo que sinto  por viver no meio desta escumalha covarde  que não consegue respeitar-se e ataca o "inimigo" pelas costas, com a cumplicidade da GNR.

Um presente envenenado

O Governo quer acabar com a reforma compulsiva aos 70 anos na Função Pública.
À partida parece uma boa medida,pois não é justo obrigar  pessoas que querem continuar a trabalhar depois dos 70 a reformarem-se.
Só que esta "generosidade "do Governo é um presente envenenado e palpita-me que é apenas uma habilidade para alargar rapidamente a idade da reforma até aos 70anos.

domingo, 19 de agosto de 2018

sábado, 18 de agosto de 2018

Um fim de semana em grande!



Com o calor que se anuncia, presumo que o fim de semana seja glorioso para aqueles maluquinhos das redes sociais que assim que vêem um fogareiro a arder, começam logo a gritar "Incêndio!"
Depois, armados em bombeiros de sofá, começam a dar as tácticas aos bombeiros, a tecer críticas à ANPC e a exigir a demissão do ministro, primeiro, e  do governo inteiro logo a seguir.
Um fds muito divertido, mas também muito trabalhoso, é o que eu prevejo para os seguidores da Santinha do Eucalipto ( na foto) e de todas as santanettes deste país.
Espero é que a D. Cristas tenha um bocadinho de pudor e se abstenha de falar de ética, caso contrário sentir-me-ei obrigado a recordar-lhe alguns casos no seu partido, quando a senhora andava a tratar dos tomates dos agricultores.

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

I say a little prayer



Há vozes que nunca esquecerei, mas a de Aretha Franklin é incomparável e estará sempre acima de qualquer outra. 
Não tenho palavras para definir Aretha Franklin. Ela não era excepcional, nem fora de série. Era simplesmente ÚNICA. Ao longo da carreira colecionou tantos êxitos, esteve tantas vezes nos tops, que poderia estar aqui um mês a  recordar os seus sucessos.
Num inquérito realizado pela Rolling Stone, para escolher as 100 melhores vozes do século XX, Aretha Franklin ficou em primeiro lugar.
Se foi "Respect" que me deu a conhecer Aretha, canções como "I say a Little Prayer" , "(You Make me feel) Like a natural Woman" ou "Spanish Harlem"ainda hoje me provocam fortes arritmias.
Obrigado, Rainha, pelos bons momentos que me proporcionaste com as tuas canções. 
Tonight, "I say a Little Prayer for you". RIP

Feios, Porcos e Maus



Em Vila Praia de Âncora (Caminha), 5 automóveis, estacionados em zona proibida, foram arrastados para o mar. No local, reservado a embarcações, estavam estacionadas cerca de 100 viaturas.
Depois do incidente, a GNR multou 98 condutores. (Obviamente que, mantendo a tradição, só uma ínfima parte destas multas será paga). 
Leio  a notícia e não sei se deva ser mais assertivo na crítica à  tradicional falta de civismo destes tugas, ou à passividade das autoridades que só começaram a multar os condutores depois de as cinco viaturas terem sido apanhadas pela água do mar. Sei é que  se tivesse havido necessidade de socorrer alguém em dificuldades no mar, não seria possível movimentar uma embarcação.
Poderia tratar-se de um caso isolado, mas todos sabemos que não é. Tornou-se normal cada condutor estacionar onde lhe apetece ou mais lhe convém, perante a complacência das autoridades. Tornou-se hábito, neste pais de Brandos Costumes, acusar as autoridades de uso excessivo do poder e tolerar todo o tipo de comportamentos anti-sociais, impróprios de seres humanos e mais adequado a muares.
Se é  esta a Liberdade que o povo deste país pretende, PASSO. A minha noção de Liberdade não contempla egoísmo, falta de civismo, nem comportamentos selvagens. E a minha noção de Democracia assenta no respeito pelo outro e pelas regras socialmente estabelecidas, coisa que este povo de ignaros mesquinhos, obnubilado pelo consumismo acéfalo, rejeita. 

AVISO:Problemas de saúde têm-me afastado da Net. Gostaria de ter vindo aqui dar sinal de vida com um post menos agressivo mas, sinceramente, cada vez tenho menos pachorra para aturar  selvagens deste jaez. Fiquem bem

sábado, 11 de agosto de 2018

Cenas da vida real

Depois de um dia de calor, a praia de Carcavelos ficou no estado que podem ver se seguirem o link
Na verdade  é possível ver  esse cenário com alguma frequência.
Como também é muito normal ouvir as críticas acaloradas dos responsáveis pelo estado caótico das praias, das ruas ou dos jardins: